Os autores citados abaixo não só sobreviveram ao tempo e continuam sendo publicados, característica das obras ditas clássicas, mas, sobretudo, ajudaram a celebrizar o romance policial, criaram personagens tão fortes que muitos creem que existiram de fato, subverteram a maneira de escrever na época e serviram de inspiração para os autores posteriores.

Edgar Allan Poe (Boston / EUA, 1809 – 1849)

Foi poeta, escritor, romancista, crítico literário e editor norte-americano. Autor do famoso poema “O Corvo”. Escreveu contos sobre mistério, inaugurando um novo gênero e estilo na literatura.

Criador de C. Auguste Dupin, jovem cavalheiro que mora na rua Dunôt, 33, Faubourg Sant-Germain, Paris, e, de maneira indolente, ajuda a polícia a desvendar crimes misteriosos. Dupin foi a inspiração para Conan Doyle, criar anos mais tarde o lendário Sherlock Holmes.


Arthur Conan Doyle (Edimburgo / Escócia, 1859 – 1930)

Doyle era um médico sem muitos pacientes e, por isso, tinha bastante tempo para ler. Depois de consumir livros de Poe, Collins e Gaboriau resolveu escrever um romance policial, usando como referência para seu protagonista um de seus professores (o médico Joseph Bell) que se notabilizava pelo uso da dedução para realizar diagnósticos. Foi assim que Conan Doyle criou o mais famoso detetive de todos os tempos: Sherlock Holmes.Autor de romances, novelas e contos. Nascido em Edimburgo, capital da Escócia, formou-se em medicina, mas exerceu a profissão de médico apenas entre 1882-1890.

Publicou contos para a revista mensal Strand Magazine, nos quais o personagem principal era o detetive Sherlock Holmes, sempre ao lado do amigo e colaborador, o fiel e ingênuo doutor Watson. O detetive se tornou popular com o primeiro romance de Doyle, Um estudo em vermelho (1886), em que recebeu pelo livro apenas 25 libras e demoraram um ano para publicar)

Alcançou a popularidade com a publicação de “Escândalo na Bohemia” em 1891 na “The Strand Magazine”. Cansado de seu mítico personagem, Doyle, mata Sherlock Holmes em 1893, em “O Problema Final”. Mas, a pressão do leitores é tamanha que ele resolve ressuscitar Holmes.


Agatha Christie (Torquay / Devon / Inglaterra, 1890 – 1976)

Escreveu seu primeiro romance em 1918: O Misterioso Caso de Styles. Agatha Christie criou dois célebres personagens: Hércules Poirot, um ex-policial, belga, que trabalha no Reino Unido como detetive particular e vive na rua Farraway, 14, Londres; Miss Jane Marple, uma idosa, solteira, que reside em Saint Mary Mead, uma vila fictícia no sudeste da Inglaterra, que consegue resolver alguns casos insolúveis para a polícia.

Hercule Poirot aparece em 33 obras da autora. Agatha foi a maior escritora policial de todos os tempos. Escreveu 93 livros e 17 peças teatrais.


 

Dashiell Hammett (St. Mary’s County / Maryland / EUA, 1884 – 1961)

Trabalhou na Agência Nacional de Detetives Pinkerton, em Baltimore. Em 1922 publica seu primeiro conto na revista “The Smart Set”: “The Parthian Shot”, com o pseudônimo de Peter Collinson e, começa a escrever para a revista Black Mask.

Publica seu primeiro romance Colheita Vermelha, em 1923, mas só alcança fama com O Falcão Maltês, em 1930. Foi o criador do detetive particular Sam Spade.

Hammett teve problemas econômicos e com álcool. Durante a “caça às bruxas” do Macarthismo, foi incluído na lista negra por recursar-se a incriminar quatro comunistas. Seus livros foram retirados das livrarias e bibliotecas; cancelaram os programas de rádios em que ele foi roteirista.


Raymond Chandller (Chicago / EUA, 1888 – 1959)

Foi Jornalista na Inglaterra, militar nos EUA e trabalhou por dez anos na Dabney Oil Sindicate, onde foi despedido por problemas com álcool.

Em 1933 começa a escrever contos para revistas “pulp” como “Black Mask” e “Dime Detective”. Em 1939 escreve O Sonho Eterno, com o detetive privado Philip Marlowe.

Após a 2ª. Guerra Mundial o romance policial ganha representantes de porte em várias partes do mundo. Citaremos abaixo os que mais nos impressionam: