Roy Cody é, como ele próprio admite, um cara mau. Matador de aluguel, com câncer terminal no pulmão e ninguém por quem viver, ele é designado pelo chefe – que recentemente começou a ter um caso com sua namorada – para executar um serviço. Mas com um detalhe estranho: desarmado

Nesse romance de estreia Nic Pizzolatto trabalha a ficção policial mais além da tradicional novela Noir. Se Hammett e Chandler subverteram o aristocrático detetive e apresentaram novas facetas inesperadas, Nic faz o mesmo com gênero atual. Torna-o ainda mais sujo, sombrio e introspectivo.

Narrando em primeira pessoa, Pizzolatto dá voz ao assassino de aluguel, Roy Cody, que vai contando como se sucederam seus últimos dias. A escrita é fluida e interessante. Os personagens são fortes. Há bons diálogos. As cenas, por mais absurdas, se sucedem de forma verossímil, sem enganar o leitor com surpresas de última hora. Quem começa não consegue parar.

Embora só agora tenha estreado na literatura, Nic Pizzolatto tem experiência com o gênero policial. Ele é criador e produtor da magistral série policial: True Detective (HBO).