Uma garçonete de um famoso restaurante de São Paulo passa as noites seduzindo clientes e roubando a casa deles. Em sua mira está uma sucessão infinita de Netos e Betos e Camilas, que depois de um encontro casual têm suas roupas e joias furtadas pela exímia ladra, que as revende em um brechó de luxo. A rotina vai bem até que um estranho a procura para seduzir e roubar um professor universitário, dono de um raro exemplar de O Guarani, de José de Alencar. A partir daí, os dois vigaristas dão início a um jogo de gato e rato que poderá ter consequências desastrosas.”

 Esta é uma ficção policial sem polícia e sem investigadores. Mas trata-se da elaboração e execução de um crime, anunciado logo no início. Os personagens são cativantes e a história consegue prender.

Houve um pequeno furo: a autora levanta a questão sobre como a protagonista foi localizada e, depois, esquece de explicar. Não teria a obrigação de fazê-lo, mas se levantou a questão...

Outro ponto que me decepcionou um pouco foi a maneira como a protagonista abre uma fechadura usando uma presilha de cabelo...

Enfim, são dois detalhes menores, que não maculam o livro. Foi uma boa surpresa para mim. Gostei do estilo da autora e quando comecei não consegui parar. Espero novos livros!